domingo, 3 de abril de 2016

Dentro da Mata recria


Dentro da Mata ao recriar as matas pintados por Miguel Penha, o objetivo é que o visitante se sinta de verdade na natureza.

A sensação é de estar do lado de fora, mesmo estando dentro do local expositivo

Cada detalhe, foi escolhido para criar esse mundo paralelo, troncos de madeira encontrados nas matas, paredes em tons pasteis, lembrando as matas de transição, e paredes em tons mais escuros como o verde e ou preto lembrando a mata mais densa, a iluminação imita a luz do sol, só falta o canto dos pássaros.

O Miguel Penha de descendência indígena, apaixonado pela natureza, se cercou das matas, ao escolher como refúgio a cidade de Chapada dos Guimarães, faz desse local um estúdio a céu aberto, um paraíso natural que o inspira, e aperfeiçoa suas telas, pintando obsessivamente o contraste de luz, o reflexo na água, os detalhes das diferentes espécies, difícil parar, difícil não pintar, o amanhecer o pôr do sol, as várias transformações e mudanças.

Cada estação do ano, um sol diferente, um riacho diferente, um céu multicolorido, o cerrado brilhando no sol intenso do Mato Grosso, troncos prateados, rosados, amarelos as coroes não tem fim.

Um renovo

Ao assistir ao jornal hoje, 02/04/2016, na crônica de Cecilia Malan, sobre a exposição de Monet na Academia Real das Artes em Londres, vi o quando a exposição Dentro da Mata, no seu conceito de levar o visitante para dentro da mata, parece com a famosa exposição de Monet, algo que me deixou muito feliz.


Iniciei o projeto em 2010, junto com Fabíola Mesquita, nesses seis anos, conseguir realizar a exposição em 12 Estados, nos últimos anos estava meio desanimado, muito difícil conseguir apoio para continuar, mas ao ver a matéria no jornal, o ânimo voltou, vi e entendi que a proposta está bem legal, o conceito é muito bom, e as pessoas que não estão entendendo, então. “Para quem não entende, sinto muito, e agradeço aos que entendem”, muito obrigado

O trabalho continua


Veja matéria na integra no jornal hoje


http://g1.globo.com/jornal-hoje/edicoes/2016/04/02.html#!v/4929307

sábado, 2 de abril de 2016

Estaremos no MARCO - Campo Grande

O projeto intinerante de exposição continua, a próxima mostra será no MARCO - de 30 de agosto a 30 de Outubro de 2016 - muito feliz com a seleção 


divulgado no Diário Oficial de hoje, o resultado dos artistas selecionados para o Programa de Exposições Temporárias do MARCO. Parabenizamos todos os aprovados e desejamos muito sucesso em suas temporadas.


Segue relação dos aprovados:
• Alexandre Puigventos Frangioni – SP
• Elcio Miazaki – SP
• Fabíola M. Rodrigues Racy – SP
• Fernanda de Matos Mafra – PE
• Guilherme Moreira Santos – DF
• Luciana Ohira e Sérgio Bonilha – SP
• Luis Arnaldo Zampieri Porto – MG
 Miguel Penha – MT• Silvia Ruiz – SP
• Weimar Marchesi de Amorim – SP

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Exposição Dentro da Mata é finalista para o prêmio Rodrigo de Melo Franco



Miguel Penha, finalista para o Prêmio Rodrigo de Melo Franco de Andrade, o único artista a representar o Mato Grosso.
O projeto selecionado foi o Dentro da Mata, um reconhecimento desse grande trabalho que vem sendo desenvolvido desde 2010, trata-se de um projeto de exposição itinerante, foi apresentada em 11 Estados brasileiros e em 2016 será realizado em Madri/ES..
A exposição com a predominância da natureza, do verde, das matas e o cerrado do Brasil central, são pinturas que o artista costuma chamar de realismo imaginário, pois hoje em dia raramente vemos o cerrado ou florestas intactas, todas as telas pintadas para a exposição fazem parte de um conhecimento, específico do artista que é índio e tem uma vivência direta com tribos de diversas nações, como Krahôs, kaiapós, Cinta larga e Suruí;

Sobre o Prêmio

O Prêmio Rodrigo de Melo Franco de Andrade, promovido anualmente pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para reconhecer ações de preservação do patrimônio cultural brasileiro, teve, em 2015, 230 projetos inscritos, um crescimento de mais de 100% em relação a 2014, quando participaram 112 candidatos. São projetos com diversos perfis, vindos de todos os cantos, retratando a cultura do Brasil. 

Entre os estados brasileiros com número mais representativo de ações estão: Bahia (10), Ceará (14), Minas Gerais (25), Pará (10), Paraná (12), Pernambuco (16), Rio de Janeiro (33), Rio Grande do Sul (17), Santa Catarina (13) e São Paulo (35). As iniciativas selecionadas, nesta etapa, irão passar por avaliação nas superintendências estaduais do Iphan em que foram inscritas. Posteriormente, vão para a avaliação da Comissão Nacional, em Brasília, de onde sairão os nomes vencedores. 

A edição de 2015 traz, ainda, outra novidade. O edital irá contemplar oito iniciativas, duas a mais em relação a 2014, com o valor de R$ 25 mil cada. O aumento no número de contemplados e no valor do Prêmio tem o objetivo de estimular a participação, proporcionar a pluralidade no perfil dos projetos e reconhecer iniciativas de excelência que partem da sociedade civil, criando, assim políticas culturais democráticas.

O júri é composto para a seleção é formado de representantes de universidades, institutos ligados à cultura, de setores do poder público e da sociedade. O intuito é fazer com que o Prêmio esteja em consonância com os rumos das políticas culturais que, cada vez mais, adotam formatos de participação democrática. Com isso, há um envolvimento dos diversos atores sociais, permitindo um processo avaliativo de múltiplas perspectivas, importante para compreender as manifestações culturais brasileiras que carregam essa diversidade. 
Selecionados:
Categoria II - Iniciativas de excelência em promoção e gestão compartilhada do Patrimônio Cultural: visa valorizar e promover iniciativas referenciais que demonstrem o compromisso e a responsabilidade compartilhada para com a preservação do patrimônio cultural brasileiro, envolvendo todos os campos da preservação e oriundas do setor público, do setor privado e das comunidades:
Alagoas – Caderno de instruções do Filé - Um guia de como fazer o tradicional filé Alagoano
Bahia – Para-Raios Programa de Arte-Educação Patrimonial do Forte da Capoeira; Hospedar a Cultura e a Cidadania na Escola
Ceará – Grupo Uirapuru - Orquestra de Barro; Circo Memória e Identidade
Distrito Federal – Re(vi)vendo Êxodos
Goiás – Educação Patrimonial - Pirenópolis Goiás; Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros
Maranhão – Capelinha de São Benedito; Festival de Bumba-meu- boi de Zabumba do Maranhão
Minas Gerais – Som dos Sinos; Circuito de Museus
Mato Grosso do Sul – Artista Regional
Mato Grosso – Dentro da Mata
Pará – Semana do Patrimônio Paraense; Ginga e Resistência na baixada
Paraná – Guia de Visitação ao Cemitério Municipal São Francisco de Paula; Programa Primeiro Museu
Pernambuco – Do Buraco ao Mundo: Segredos, rituais e patrimônio de um quilombo-indígena; Gestão do Paço do Frevo
Rio de Janeiro – Restauração e Instalação do Museu Histórico de Campos dos Goytacazes; Nasce uma cidade
Rio Grande do Sul – Caixas Pedagógicas AfricaNoArquivo; Angola Poa: expressões da capoeira angola em Porto Alegre
Roraima – Patrimônio cultural, brincadeiras e jogos tradicionais nas comunidades indígenas de Roraima
Santa Catarina – Victor Meirelles - Biografia e Legado Artístico; Intitulação dos Mestres da Cultura Tradicional: a valorização do ser e saber fazer do povo bombinense
São Paulo – O Milagre de Santa Luzia; Histórias da Tradição. 
O edital divulgado no  Diário Oficial da União tem premiação no valor de R$ 30 mil como estímulo e forma de reconhecimento aos projetos selecionados
Mais informações para imprensa:
Assessoria de Comunicação Iphan 
comunicacao@iphan.gov.br
Adélia Soares - adelia.soares@iphan.gov.br
Gabriela Sobral Feitosa gabriela.feitosa@iphan.gov.br 
(61) 2024-5461 / 2024-5463/ 2024-5459
(61) 8356-5857

sábado, 9 de maio de 2015

Abertura da Exposição Dentro da Mata no Instituto Cultural Germânico - Niterói/RJ

Agradeço a todos os presentes na noite de abertura, foi muito bom poder conhecer novas pessoas, conversei com muita gente legal, animada e interessada em fazer arte, foi muito bom, agradeço a todos pelo carinho.











a exposição fica em Niterói até 08/06/2015 

domingo, 19 de abril de 2015

Chegando em Niterói/RJ - abertura 07 de maio as 19 hs, visitação de 08 à 06 de junho 2015

O Projeto de exposição Dentro da Mata surgiu em 2010, quando a primeira exposição foi realizada no SESC - Arsenal, em Cuiabá/MT, o SESC através do projeto SESCAMAZONIADASARTES, convidou o artista para participar do calendário de exposições do projeto, em 2011, foram realizadas mais seis (6) exposições: Teresina/PI, Macapá/AP, Manaus/AM, Belém/PA, Porto Velho/RO, São Luiz/MA.
Desde então, o projeto continuou caminhando em 2013 o recebeu apoio do Governo do Estado de Mato Grosso, assim, foram realizadas mais 3 mostras em: Blumenau/SC, no Museu de Arte de Blumenau, em Brasília no Centro Cultural da Câmara dos Deputados, e Jataí no Museu de Arte de Jataí/GO.


A mostra conta com a curadoria de Fabíola Mesquita, Filósofa, Produtora Cultural, e idealizadora do site Rede de Arte (
www.rededearte.com.br), a ideia é ir além da pura apreciação visual possibilitar um momento calmo e reflexivo, Dentro da Mata tem como norteadores, o resgate das artes plásticas enquanto suporte de manifestação artísticas e culturais com objetivo de democratizar e dar oportunidades aos cidadãos de diferentes classes sociais de forma que cada um, em sua individualidade e diversidade, possam construir seus gostos e aptidões culturais; Conscientizar a população quanto a criação de novas Áreas de preservação permanente no país, assim como a preservação e manutenção da APP já existente; O projeto ainda tem como foco ser realizado no mínimo em cada um dos Estados brasileiros, ao todo já foram 11 Estados, faltam 17.
Miguel Penha, que é descendente dos índios Xiquitanos, tendo vivido em aldeias do Xingu como os Krahôs e Caiapós no Tocantins, e acredita que preservação dos elementos constitutivos da memória dos diferentes grupos humanos, é condição para a construção de uma consciência maior de sua identidade, compreendidas e formuladas de maneira autônoma, logo, a importância da preservação, é,  garantia desses direitos, preconizados na Carta Rio 92 , princípio 23 “O meio ambiente e os recursos naturais dos povos submetidos à opressão, dominação e ocupação serão protegidos”.

A exposição Dentro da Mata, leva-nos a questionamento como: a crescente ameaça de destruição a que estão expostos tanto o patrimônio natural quanto o cultural, não apenas pelas causas tradicionais de degradação, mas também pelas mudanças da vida social e econômica; Estamos preparados para essas mudanças?

“Próxima parada Niterói/RJ, no Instituto Cultural Germânico.